ate-onde-deu-pra-ir-de-bicicleta-a-plebeia-do-transito-milton-costa

Bicicleta, a plebeia do trânsito

Estou analisando algumas fontes para uma pesquisa, e eis que encontro esse texto lindo, de 1960: “A plebéia do trânsito”, de Milton Costa. No texto, o autor conta de sua paixão pela bicicleta, e das dificuldades que um ciclista urbano enfrenta para pedalar a sua magrela.  Destaco dois trechos abaixo, e deixo a íntegra na foto (basta clicar para ampliar, ou salvar no seu computador). Leitura mais do que recomendada.

“Na interminável hierarquia dos veículos, uma bicicleta representa a classe menos favorecida. É a plebéia do trânsito. Tem que ir constantemente junto aos meios-fios, como quem pede esmolas nas portas das casas. É perigoso dar uma guinada à esqueda; o cadilaque luxuoso que vem atrás não a respeita e não a vê.”

“Fala-se, no entanto, em regras de trânsito. Mão e contra-mão. Preferências. Sinais semafóricos. Pura ingenuidade: uma bicicleta pode ir pela direita, que mesmo assim estará sempre contra a mão. Não há, para ela, vias preferenciais.”

 

.

Impressionante como 52 anos depois, a discussão permanece atual e forte, ganhando a mídia com a brutalidade dos últimos episódios envolvendo mortes de ciclistas no trânsito. Digo sempre que conviver na diferença exige a educação da sensibilidade. Ônibus, carros, motos, bicicletas, pedestres… a humanidade precisa compreender o trânsito como espaço coletivo.

P.S. – A texto acima é parte da Revista Alterosa (nº 366), publicação mineira que circulou entre as décadas de 30 e 60. A revista está disponível na página do Arquivo Público da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Para acessar basta clicar aqui.

Veja todos os posts do blog sobre bicicleta no trânsito



There are 3 comments

Add yours
  1. heltonbiker

    Transcrevi (digitei) o texto inteiro para publicar em nosso blog de forma que seja possível copiar e colar.

    http://vadebici.wordpress.com/2012/03/08/bicicleta-a-plebeia-do-transito-transcricao/

    Muitíssimo obrigado, André Schetino, por essa maravilhosa escaneada, que tem um valor incalculável, que de outra forma poderia ter sido perdida. Posso te afirmar que o autor parece ter entrado em minha alma para captar cada impressão quando me desloco pela cidade de Porto Alegre de bicicleta em meio a esse trânsito de hoje. Esse texto é genial, é perfeito!

    Obrigado mesmo.

  2. André Schetino

    Grande Helton.

    Não precisa agradecer cumpadre! Tive a mesma sensação à medida que eu lia o texto. Só dei a sorte de encontrá-lo nesta revista. É uma revista de sociedade, mais voltada inclusive para o público feminino. O que mostra a força que a bike tem cumpadre. Apesar de todas as mazelas, as dificuldades do trânsito, as bikes vieram pra ficar. É como gosto de dizer: as bicicletas são há mais de 150 anos o veículo mais moderno do planeta!

    Um grande abraço e parabéns pelo blog!

    André


Post a new comment