ate-onde-deu-pra-ir-de-bicicleta-cartagena-colombia-gil-sotero-01

Cartagena Cycle Chic

Por Gil Sotero

A forma mais romântica de conhecer Cartagena das Índias, a cidade que inspirou um dos maiores escritores latino-americanos, sem dúvida, é de bicicleta. Como sempre recorro a literatura para planejar um roteiro. Na verdade eu amo combinar livros e bicicletas. Já ouvi que ambos são itens de design perfeitos e concordo. Quando comecei a pesquisar sobre meu destino: Cartagena das Índias escolhi a minha Monareta Dobramátic de 1972. Por ser aro 20 (que acho perfeito para os centros urbanos), por ter uma mecânica simples e estrutura resistente para suportar o “trato” das cias aéreas. Além disso sou fotografo e a escolha também foi estética. O resultado me surpreendeu.

Pedalando em Cartagena

"...os fracos não entram jamais no reino do amor, que é um reino impiedoso e mesquinho..." Gabo. O Amor nos Tempos de Cólera. Foto: W. Odilon

“…os fracos não entram jamais no reino do amor, que é um reino impiedoso e mesquinho…” Gabo. O Amor nos Tempos de Cólera. Foto: W. Odilon

Cartagena das Índias, ou “Lá Heroíca” foi fundada em 1566 e batizada em homenagem a Cartagena, na Espanha. O centro histórico é conhecido como a cidade fortificada, (cidade amuralhada) e foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, em 1984. A população da cidade chega a quase 1 milhão de pessoas, mas durante os meses de dezembro e janeiro pode chegar a dois.

Pedalar pela colorida “La Heróica” como é conhecida a cidade histórica de Cartagena das Índias,  é reviver os livros do escritor colombiano Gabriel Garcia Marques. As ruas “aprisionadas” entre as muralhas  parecem um labirinto mágico onde o amor e a “loucura” se encontram encarnadas pelas palavras de Gabo em cada  esquina. Foi aqui o cenário do romance de Fermina Daza e Florentino Ariza, personagens do livro “O Amor nos Tempos de Cólera”. O livro me inspirou a andar tranquilamente pelas ruas de Gabo mas antes de se aventurar e se perder pelas ruelas a grande dica é baixar o áudio guia “La Cartagena de Gabo” da Tierra Magna (disponível para smartphones e tablets) e fazer o tour seguindo os passos de Gabriel García Márquez.

"Era ainda jovem demais para saber que a memória do coração elimina as más lembranças". Gabo. Amor nos Tempos de Cólera. Foto: Gil Sotero

“Era ainda jovem demais para saber que a memória do coração elimina as más lembranças”. Gabo. Amor nos Tempos de Cólera. Foto: Gil Sotero

O passeio guiado começa e termina na Plaza Santo Domingo exatamente onde fica a famosa escultura do artista Fernando Botero. Dalí você segue para a Plaza Santa Tereza, onde há uma das entradas da cidade, sempre apreciando a arquitetura peculiar dessa jóia do Caribe. Tudo pode ser feito em um dia mas o ideal é dividi-lo pelo menos em dois. Afinal são 35 pontos. O guia é em espanhol claro e inteligível. As bicicletas são muito incentivadas na parte interna da cidade. Mesmo que você não tenha tanta prática é muito seguro deslizar e parar a cada instante. Não tenha pressa pois pedalando você conhecerá muito mais do que a pé e pode estacionar em vários lugares.

"... não se passou um só dia sem que se escrevessem e em certa época até duas vezes por dia, até que tia Escolástica se assustou com a voracidade da fogueira que ela própria ajudará a atear" . Gabo. O Amor em Tempos de Cólera. Foto: W. Odilon

“… não se passou um só dia sem que se escrevessem e em certa época até duas vezes por dia, até que tia Escolástica se assustou com a voracidade da fogueira que ela própria ajudará a atear” . Gabo. O Amor em Tempos de Cólera. Foto: W. Odilon

Fora da cidade muralhada a cidade continua plana e perfeita para a bicicleta! Pedalar entre os carros é mais tranquilo do que em muitas cidades brasileiras. Isso por causa das Zonas 30, onde carros precisam trafegar a velocidades menores.   Mas  nem tudo são flores. Cartagena ainda é bem carrocrata. A parti das 17h motoristas disputam espaço com os pedestres e o excesso de táxis nas ruas, enquanto buzinam a todo instante, chega a irritar quem procura paz e tranquilidade. Fora do centro histórico os pedestres não tem prioridade. Carros estacionam em calçadas e quase não existem semáforos. Ciclovias também são poucas. Mesmo assim vale muito e você se arrependerá se não levar sua bici. A noite vários bares e restaurantes são um convite a uma parada conteplativa enquanto você experimenta os excelentes cafés e drinques e escolhe sua agitação. A maioria dos turistas alugam bicicletas e precisam ficar rodando bastante para não perder tempo. Já quem leva sua bici pode “perder” o tempo que quiser e ficar despreocupado.

"No temos WI-FI hablen entre ustedes" Marzola - Melhor restaurante argentino de Cartagena. Foto: Gil Sotero

“No temos WI-FI hablen entre ustedes”
Marzola – Melhor restaurante argentino de Cartagena. Foto: Gil Sotero

Viagem

Saí de BH para SP, de SP para Bogotá e de lá para Cartagena. Não foi fácil para as bicicletas. A cia aérea Avianca é bike friendly mas não sabe cuidar das magrelas. Apesar dos pequenos arranhões as duas dobráveis chegaram intactas.

Hospedagem em Cartagena

Como era alta estação em janeiro a hospedagem estava pelas alturas. Mas encontramos um bom flat no bairro Boca Grande que ficava há 2km da entrada da cidade antiga. Como o prédio era novo e tinha garagem 24h, lugar para as bicis, água quente e piscina no último andar. Valeu demais! No site de Booking você encontra uma lista com muitas opções de hospedagem em Cartagena.

DICAS:

A – Se não levar sua bike é possível alugar. Há várias locadoras no centro histórico e até fora dela. O custo médio da diária pode variar ente R$25 a R$50. Prefira levar se puder assim você gastará com outras coisas.
B – Estacionar a bicicleta não é problema, desde que tenha seu cadeado. Vários restaurantes e bares são amigáveis. No Hard Rock por exemplo pude entrar com a minha dobrável e deixei-a sem dobrar, estacionada na parte inferior do estabelecimento. Na verdade não tive problemas em nenhum lugar em que fui de bici
C – Prefira pedalar pela manhã na cidade. Antes das 9h30 o trânsito é tranquilo e quase não há carros. É lindo pedalar a noite mais tarde. Porém entre 17 e 21h a cidade lota de turistas, carros, buzinas com paciência se passa em todas ruas e há aquelas que são mais tranquilas.
D – O Código de Trânsito Colombiano obriga o uso do capacete. Mas quase ninguém (incluindo os cartageneiros) usa.
E – Pontos turísticos vá a todos. No Café Del Mar os preços são bem salgados para o espetáculo momentâneo que é o pôr-do-sol. Do lado dele você pode apreciar tudo sem precisar gastar rios.
F – É possível ir ao Castelo de San Felipe de Barajas de bike.
G – Praias: não há praias bonitas em Cartagena mas você pode pegar um barco para Playa Blaca, compre a passagem no Porto que fica em frente ao Torre do Relógio, fora da cidade amuralhada. Você verá a aglomeração. Leve uma capa de chuva o mar não é brincadeira  principalmente na volta e não esqueça de tomar um remédio para enjôo antes de embarcar. Apesar de bonita Playa Blanca é bem farofa. Os pacotes até incluem comida mas lá não tem muita coisa. O mar é bonito mas se você quiser mais estrutura passe o dia em Coco Liso. ATENÇÃO! não queira ir ao oceanário senão irá perder preciosos tempo da praia. Os barcos retornam às 15h e não as 16 como muita gente escreve por ai.
H – O mais importante: você não precisa de roupas especiais para pedalar em Cartagena. Vá com seu estilo e se prepare para lindas paisagens e visões.
I – Você quase pode gastar o quanto quiser para comer. Há restaurantes na parte amuralhada que servem menu do dia a população local e os mais requintados para turistas. Escolha aquele que mais te agradar mas não esqueça de ir ao Restaurante Argentino Marzola.

Conheça mais da bela Cartagena nessa galeria de fotos




There are no comments

Add yours