Ciclistas no trânsito: as aparências podem enganar

0
394
Ciclistas no trânsito. Via Oakland Local

 

Ciclistas no trânsito. Via Oakland Local

Na semana passada ia de bicicleta para o trabalho, e estava parado no sinal vermelho, em um cruzamento bem movimentado de Belo Horizonte (Av. Brasil com rua Alagoas, para quem conhece B.H.). Era a hora do rush (18:30), e nesse momento, um ciclista me ultrapassa, dando um berro (que me assustou, é verdade) e furando o cruzamento, que estava bem movimentado. Ele fez com que os carros que vinham com o sinal verde tivessem que diminuir a velocidade e passou na frente dos mesmos. Detalhe: era uma subida! Um absurdo inimaginável e que poderia ter causado um acidente.

Há muito tempo atrás li na internet (não me lembro aonde) que se você pedalasse “fantasiado” (roupas de ciclismo, capacete, etc.) os motoristas teriam mais respeito por você. Mas atitudes como a do meu “colega de pedais”, que pedalava pela cidade como se estivesse sozinho em uma trilha, ajudam a queimar o filme de todos os ciclistas no trânsito.

A primeira lição desse episódio é simples: as aparências podem enganar. Nada de generalizações. Encontrar um ciclista “fantasiado” com roupas próprias, capacete, uma bicicleta cara, não quer dizer que ele seja um ciclista consciente. Da mesma forma, um ciclista vestido com roupas “do dia a dia” ou em bicicletas simples, não é sinônimo de falta de preparo para estar no trânsito das cidades.

Então, ciclistas e motoristas, como agir?

É simples. Basta não confiar cegamente nas aparências e sim nas atitudes no trânsito.

Para os motoristas, observar sempre os ciclistas desde uma boa distância, reparando se o mesmo sinaliza suas intenções no trânsito, se o mesmo se desloca seguramente, e é claro, respeitar a distância de 1,5m ao ultrapassá-lo.

Para os ciclistas, vale lembrar que pedalar no trânsito exige uma conduta diferente de um passeio de lazer, em trilhas etc. As regras de circulação devem ser respeitadas para a segurança de todos, inclusive do próprio ciclista.

E você? Já teve alguma experiência com ciclistas imprudentes no trânsito?

DEIXE UMA RESPOSTA