Cicloturismo Paralello: um pedal até o maior festival de música eletrônica da América Latina

1
15
Cicloturismo Paralello
Foto: acervo pessoal Jorge Neto

Por Jorge Neto

Cicloturismo Paralello

Em 2015 antecipando minhas férias que normalmente é em janeiro, me programei para sair em dezembro para a viagem que faço todos os anos ao maior festival de música eletrônica da América Latina,o Universo Paralello!

Separei 20 trechos que somados dariam 1400 km, com a meta de percorrer dois trechos por dia. Eu sai de casa em Belo Horizonte, sozinho, para pedalar até a praia de Pratigi na Bahia, que fica em Ituberá.

O caminho até sair de Minas Gerais foi o mesmo que já fiz com amigos de ônibus de excursões, ônibus de linha, no meu carro e até de carona. Procurando cidades onde tenho amigos e parentes, e as vezes dormindo em pousadas.

Apesar de levar uma barraca de quatro quilos junto a bagagem, eu não acampei nenhuma vez nessa viagem, pois preferia a segurança de dormir protegendo minha bicicleta, e recarregando meu celular e GPS.

Meus amigos conhecem as estradas para a Bahia sempre cheias e com muitos perigos pois sempre passam por la em época de temporada, porém em dezembro a estrada estava vazia e não passei momentos mais tensos do que os que os ciclistas de estrada passam aqui em Minas, e também no resto do Brasil, diariamente em nossos treinos.

Sai acompanhado pelo Beleza, um grande amigo, que pedalou comigo até Caeté, o primeiro trecho, onde furou o único pneu de toda a cicloviagem, e depois escalei sozinho a Serra da Piedade com minha bike pesando 32kg.

Dormi a primeira noite em Itabira na casa do Deiró, outro amigo, que ainda me acompanhou mais um trecho. Daí pedalei sozinho até o litoral, passando pelas montanhas de Minas, as enormes formações rochosas que fazem fronteira com Espírito Santo e Bahia.

Cicloturismo Paralello
Foto: acervo pessoal Jorge Neto
Cicloturismo Paralello
Foto: acervo pessoal Jorge Neto

Fiz amizades com outros cicloturistas como o Saraiva, e conheci atletas numa prova de MTB em Prados, o Viva Bike Prados. O pessoal do Perdidos MTB e o Volpato, grande campeão da sub-23 do campeonato capixaba.

O trecho final foi bem perto do litoral e passei por lugares que já conhecia, Canavieiras, Ilhéus, Serra Grande e Itacaré.

Cicloturismo Paralello
Foto: acervo pessoal Jorge Neto
Cicloturismo Paralello
Foto: acervo pessoal Jorge Neto

Uma viagem de bicicleta solo é incrível! Você sente o cheiro e o vento de cada lugar, ao contrário dos automóveis. Conversa mais com as pessoas em cada parada e se sente livre. Cansado, mas é recompensador.

Cicloturismo Paralello – As fotos da cicloviagem

Cicloturismo Paralello – os vídeos

ENVIE VOCÊ TAMBÉM A SUA HISTÓRIA

ATÉ ONDE VOCÊ FOI É O MAIOR BANCO DE HISTÓRIAS E EXPERIÊNCIAS SOBRE A BICICLETA E O CICLISMO DA INTERNET BRASILEIRA. PARA CONHECER O PROJETO, ENVIAR A SUA HISTÓRIA E CONCORRER A PRÊMIOS BASTA CLICAR AQUI
COMPARTILHAR
Artigo anteriorPedalando pela Estrada Real: de Ouro Preto a Barão de Cocais
Próximo artigoNo hay espacio en Santiago – para Carros
Até Onde VOCÊ Foi? é um projeto do blog que divulga - e premia - histórias inspiradoras das pessoas e suas bicicletas. As primeiras pedaladas, sua última viagem de bike, os treinos e competições, a descoberta de uma nova forma de se locomover pela cidade... O texto é de autoria do leitor indicado no início do post, e as informações e opiniões contidas são de responsabilidade do mesmo. Que tal compartilhar sua história com milhares de leitores e concorrer a prêmios? Acesse ateondedeuprairdebicicleta.com.br/voce e participe!

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns Jorge! Também já frequentei o festival algumas vezes. Boa ideia para uma próxima edição hehehe mas eu iria tentar traçar um roteiro sem estrada nenhuma, quanto mais offroad melhor =D abraços

DEIXE UMA RESPOSTA