Cicloturismo: de Valença (RJ) à Pedra do Funil (MG)

196
1970
subindo o morro

Por Vitaly Costa e Silva

“Na vida, ou na montanha… deve-se ascender com cuidado, porém sempre”.

PEDAL NAS NUVENS – De Valença a Pedra do Funil

   Nesta semana, como entramos em novembro, a expectativa pelo descanso das férias aumentou vertiginosamente. Um feriado na sexta-feira caiu bem como um aperitivo. No meu caso a expectativa foi ainda maior: na sexta-feira, após 6 anos, eu voltaria a visitar a comunidade do Funil, local mágico e paradisíaco, com uma incrível concentração de cachoeiras, localizado no município de Rio Preto, em Minas Gerais. E desta vez de bike. Na quinta à noite, parti de carro para Valença tentando não esquecer nada pra trás e deixar tudo organizado, pois sairíamos na sexta bem cedo. No dia seguinte de manhã, estava fazendo os últimos preparativos na garagem da casa da minha mãe quando o amigo João Paulo Maia chegou. Últimos acertos feitos. Tempo nublado, mas sem sinal de chuva. Clima perfeito. Partimos em direção a Rio Preto. Rumo às Gerais.

   De Valença a Rio Preto são cerca de 30 km de asfalto bem liso. Pedal bem tranqüilo, sem pressa. Pouco movimento na estrada. Rapidamente alcançamos Osório e Santa Inácia. Num pulo já estávamos em Pentagna, distrito valenciano conhecido por uma cachoeira muito utilizada antigamente – lembranças da infância… Após Pentagna, um trecho de descida, passamos pela entrada de Coroas/Alberto Furtado, estrada na qual sofri um cômico mas dolorido acidente de charrete no distante ano de 1996. Logo após, um trecho de subidas relativamente forte. Lá no alto paramos, e lá longe avistamos a imponente serra que leva ao Funil. Longe de assustar ela me animou, pois sabia que após tanto tempo eu voltaria àquele belíssimo lugar e encontraria aquelas pessoas que tratam os visitantes tão bem. A partir dali, um bom trecho de velozes descidas, asfalto lisinho mesmo. Rapidamente estávamos em Parapeúna, distrito valenciano às margens do rio Preto. Na outra margem situa-se o município mineiro homônimo ao rio, cidade natal do amigo João Paulo – aliás, o João conhece todo mundo do lugar. Parada para um lanche na padaria. Ainda estamos no Estado do Rio, mas o agradável sotaque mineiro já é dominante no ambiente. Terminado o lanche, parada para uma foto na ponte. A roda traseira ainda está no Rio de Janeiro, mas a dianteira já está falando “uai”. Atravessamos a praça central da cidade e pegamos, à esquerda, uma longa, íngreme e lenta subida que leva à estrada do Funil, quase que um cartão de visitas do montanhoso estado de Minas. Lá em cima, pela primeira vez neste dia, nossas rodas tocaram numa estrada de chão. Começava ali o pedal de verdade.

Pedra do Funil

A estrada do Funil, para usar uma expressão do querido e filosófico Luis Antônio Maia, morador de Parapeúna, é bastante “sensuosa”, uma mistura de sensual com sinuosa, como em geral são as estradas do interior mineiro. Curvas e mais curvas, sobe e desce, curvas longas e curvas rápidas, sobe e desce de novo, mas em geral sobe mais do que desce. No alto da belíssima serra, uma parada obrigatória, a vista é magnífica, montanhas e mais montanhas. Um mundo de cumes, árvores, vales e nuvens. Incríveis e simples casinhas podem ser vistas no meio do “nada”. Fotos tiradas e vamos em frente. Recomeça o sobe e desce, mas, sobretudo, subimos.

.

Após cerca de 1h e 45 de pedal chegamos a uma entrada com belas placas talhadas em madeira. Se seguíssemos em frente, logo chegaríamos à comunidade do Funil, à esquerda, a entrada da Toca do Coelho e da Cachoeira da Água Amarela. Entramos à esquerda, seguimos 1,5km até o Bar da Tirolesa, entrada da Toca. Meia-hora de conversa, retornamos e resolvemos sair da estrada e pegar as trilhas que levam à Água Amarela. Na entrada da propriedade que leva às trilhas, encontramos o Gustavo, proprietário da aconchegante Pousada Serra do Funil, e, pra minha surpresa, ele me reconheceu, após seis anos. Marcamos com ele o almoço para mais tarde e pegamos as trilhas.

Divisa entre RJ e MG
Divisa entre RJ e MG
uma das grutas do local
uma das grutas do local

.

O caminho em busca da cachoeira da Água Amarela foi bastante técnico. Trechos de single track de formas variadas: cortando pastagens abertas, passando por finas areias claras, cruzando pequenos riachos, trilhas estreitíssimas por entre barrancos. Tivemos também que carregar a bike nas costas em vários trechos, principalmente quando adentramos a mata mais fechada e íngreme. Enfim, escutamos barulho de água. O João, conhecedor da área, me explica que se sairmos da trilha, à direita, chegaremos a um pequeno poço, formado acima da cachoeira, e se fossemos à esquerda, chegaríamos à própria cachoeira. Entramos à direita e o poço se revela um belo lugar. Uma verdadeira piscina natural cercada, de um lado, por imensas pedras que formam um abrigo de caçadores e, por outro, pela mata fechada. Belos pássaros selvagens de cabeça cinza e corpo laranja ficam alvoroçados com nossa presença; logo descobrimos seu ninho acima do poço. Banho tomado, água gelada perfeita. Voltamos pela trilha e descemos na bifurcação à esquerda. Antes de descermos para a cachoeira, entramos numa gruta de dar frio na espinha. Um baixo caminho leva a uma grande caverna que adentra a montanha. Resolvemos não entrar, pois existem onças na região e não seria nada bom encontrarmos com uma dentro de uma gruta escura. Retomamos o caminho. Num determinado ponto, tornou-se quase impossível descer com as bikes. Escondemo-las sob uma pedra e descemos o último trecho. Chegamos à cachoeira da Água Amarela. Um lugar paradisíaco. Um alto paredão de solo e pedra. Uma incrível vegetação que desce pelo paredão e forma um belíssimo jardim vertical que parece ter sido planejado de tão harmônico. Um jardim intocado. Um santuário. Retornamos à trilha já com as bikes. Refizemos todo o single track, agora descendo, e pegamos a estrada sentido Funil.

.

De volta à estrada principal, mais um trecho de subida íngreme e a descida final. Na minha cabeça apenas uma palavra martelava: almoço, almoço, almoço, almoço… Já eram três e meia da tarde quando sentamos pra almoçar na Pousada Serra do Funil. Um gostoso prato mineiro. Nada como arroz com feijão bem temperados para relaxar após um pedal. Passamos o resto da tarde conversando com os moradores locais e visitantes. Às 18hs e 30 minutos, começamos a nos preparar para a volta pra casa. As nuvens claras que nos acompanharam durante todo o dia, e que não tinham despejado uma única gota, foram substituídas por nuvens mais escuras, claramente iria chover. João Paulo sacou da mochila um belo anorak e se preocupou comigo, pois o que eu tinha era uma blusa de algodão que com certeza iria encharcar, o que não seria bom, pois a temperatura estava caindo rapidamente. Foi então que inventamos uma espécie de anorak feito de um saco de lixo fornecido pelo Gustavo da pousada. Cortamos duas aberturas nas laterais e uma no fundo e pronto, estava pronto o meu lixorak, que se mostrou uma ótima proteção durante a viagem de volta.

uma das belas cachoeiras do local
uma das belas cachoeiras do local

O retorno pela estrada de chão da Serra do Funil em direção ao Rio Preto foi uma aventura à parte. Quanto mais subíamos, mais fomos adentrando por uma espessa neblina e mais escura ficava a noite. Alternavam ainda momentos de chuva e de garoa. Num determinado momento, bem no alto da serra, estávamos com visibilidade quase zero. Víamos apenas o solo de saibro onde a lanterna iluminava e, no meu caso, a lanterna traseira da bike do João. Olhar pra trás era breu total. Para frente era tudo branco acinzentado. Um verdadeiro pedal nas nuvens. Durante uns vinte minutos pedalamos nestas condições. Vinte minutos de extrema concentração. Olho no curto espaço focado pela lanterna. Nada na mente: contas pra pagar, trabalho, trânsito, tudo aquilo que nos afoga no dia-a-dia é simplesmente apagado. Meditar é isso: apagar tudo da mente. Por isso o pedal nos faz tão bem.Uma verdadeira meditação. O pedal é transcendental!

Já em Rio Preto, uma rápida parada para reabastecer o organismo e juntar um pouco mais de energia para a parte final. Seguimos rumo a Valença e começamos a subir. Subir, subir, subir. Escuridão total. Foco na lanterna. E sobe… O cansaço bateu forte. É incrível como descer é rápido e fácil. Não parecia de jeito nenhum que tínhamos descido tanto. As subidas não tinham fim. Num certo trecho o João disse: “estou aqui tentando apagar da minha mente o que vem pela frente”. E eu tentando apagar tudo o que pudesse me puxar pra trás. Mais à frente, duas placas indicando subida íngreme. Eu negociando com meu limite e aparecerem aquelas malditas placas. Como poderíamos apagar da nossa mente a dificuldade das imensas subidas com aquelas malditas placas na beira da estrada. Minha vontade era derrubá-las e isolá-las no meio do mato, com raiva. Mas foco na lanterna e pé no pedal. E tome chuva fina. O lixorak funcionou! Eu já nem sabia mais se minha panturrilha estava doendo ou se estava dormente. Passamos por Pentagna, Santa Inácia, Osório e, enfim, a reta final chegando a Valença. E o João me solta essa: “eu não queria ter mais 30km à minha frente”. Prontamente respondi: “se tivéssemos 30km à frente, acho que não estaríamos falando disso de jeito nenhum”. Chegamos. Casa da mãe, banho quente e leite quente. Sentado à mesa penso como é incrível como, após um pedal pesado como esse, nossa mente seleciona o que há de melhor e apaga a parte difícil, o sofrimento. Não que deixemos de lembrar das partes penosas, das subidas, das dores, mas, no fim do pedal, tudo isso é vitória. O chocolate quente alivia a garganta e o pulmão, e, na cabeça, já começo a pensar no próximo pedal. É isso aí!!!!!

[Nota do blog:] se você vai pedalar pelas cidades desse roteiro, pode consultar campings, hostels, pousadas e hotéis nos links abaixo:

Dicas de Hospedagem nesse Roteiro

Você pode reservar hotéis, pousadas, hostels e até casas de hóspedes através do Booking.com. Assim terá muitas opções para comparar e escolher a que vai te atender da melhor forma.

Envie você também a sua história

ATÉ ONDE VOCÊ FOI é o maior banco de histórias e experiências sobre a bicicleta e o ciclismo da internet brasileira. Para conhecer o projeto e enviar a sua história basta clicar aqui

Faça Cicloturismo com segurança

Tão bom quanto viajar de bike é retornar em segurança para planejar os próximos roteiros! Somos comprometidos com a segurança no cicloturismo e disponibilizamos 2 artigos especiais pra você conferir antes de colocar a bike na estrada:

196 COMENTÁRIOS

  1. Interior de MG é um prato cheio pra quem curte pedalada. Show de bola Vitaly.

  2. Parabéns Vitaly! A prática de esportes aliada a estas belas obras da mãe natureza, equilibra corpo e mente.

  3. Sensacional viagem! Estou seriamente tentado a começar a pedalar…

  4. Muito legal hein Vitaly… Haja fôlego para pedalar tanto hein!!! Parabéns pelo texto.

  5. Foi até o Funil e nem bebeu uma cachacinha??? Não foi ao Funil…

    Gustavo te reconheceu após seis anos? Não me surpreende!!! Entra ano, sai ano, vc não sai dos 26!

    “O João, conhecedor da área, me explica que se sairmos da trilha, à direita, chegaremos a um pequeno poço, formado acima da cachoeira, e se fossemos à esquerda, chegaríamos à própria cachoeira. Entramos à direita e o poço se revela um belo lugar.”
    Eu sabia que vc um dia iria se revelar um direitista reaça… kkkkkkkkkkkk

    Parabéns, brother. Um dia também vou criar coragem e começar a pedalar, mas agora vou tomar uma cachacinha.

  6. Certamente este é um dos esportes mais interessantes. Que visual é esse. Parabéns Vitaly, pelo texto e pelo pedal.

  7. Este pedal que o Vitaly fez realmente é maravilhoso. Semana passada eu e meus amigos de pedal fizemos este trecho. Dizem que o local (Serra do Funil) é onde Deus descansa os pés. O Arraial, as cachoeiras e a população local dão um charme especial so Funil. Quem curte mountain bike não deve deixar de conhecer este paraíso natural.

  8. Se eu tivesse METADE do fôlego para fazer ao menos METADE da pedalada tava no lucro!!
    Uma aventura que só pelas fotos já dá pra perceber que valeu a pena! 🙂

  9. Bem legal! Pedalar é desfrutar não apenas de uma boa saúde mais saborear a completa liberdade!!!

  10. Agora tem que voltar la com toda galera do MTB Vassouras. RELATO SHOW

  11. Muito legal a matéria Vitaly!! Parabéns!! Que venham muitas outras aventuras de bike!!!

  12. Muito maneiro! Tem que ter muita força de vontade para o cicloturismo pois é expor o corpo por muito tempo a condições extrema, dá eu não hehe

  13. Maneiro o relato, a parte final é isso mesmo, esquecemos o sofrimento e só selecionamos as coisas boas da vida!

  14. Belo relato meu amigo!
    Espero que possamos realizar um pedal durante estas férias! Vou te dar uma ligada! Grande Abraço!

  15. Nossa que legal hein professor!!! Haja fôlego e força de vontade, socorro.
    Parabéns e boa sorte aí! tuntz~

  16. Muito bom texto, Vitaly! Eu também tenho a mesma sensação de meditação quando estou fazendo uma trilha ou subindo um morrinho em Petrópolis. É um belo exercício, não só físico, mas também mental.

  17. Muito show! Minas Gerais encanta por suas belezas naturais. Abraço Vitaly

  18. Muito massa.
    Adorei a parte: negociava com meu limite…..
    Pretendo esse pedal tbm..
    So faltou citar o km total.

  19. Parabéns Vitaly! Seu relato faz com que pensamos que o cicloturismo é mais que um esporte, sensação de liberdade e adrenalina em sintonia com a natureza!

  20. Preciso seguir oe exemplos de meus amigos Vitaly e Luiz Fernando, mas tá difícil. Mas um dia eu chego lá. Um abraço e parabéns Vitaly.

  21. Pow adorei a matéria do Vitaly…Foi a melhor que eu já vi …Parabéns!!!

  22. Parabéns pelo passeio. Com certeza deixou o estresse todo pelo caminho.

  23. Pó show de bola, estou precisando fazer um pedal assim, parabéns e na próxima se der com certeza eu vou.

  24. Vitaly!!! Que incrível !!! Parabéns!!! Além de um belo passeio e de uma bela experiência, as fotos estão incríveis. Beijos.

  25. Belo relato, camarada! Tive o prazer de descobrir o mundo mágico da bicicleta há um mês durante uma viagem. Foram três dias inseparáveis! Agora dá pra entender o carinho de vocês pelo camelo. Curti muito o texto, muito bem escrito. Parabéns e bora pro pedal!

  26. Liberdade é como saborear um passeio de bicicleta sem precisar apostar corrida com ninguém. Apenas pedalar. No nosso ritmo. Parabéns Vitaly!!!

  27. Viraly, Parabéns pelo texto que está incrível, pela disposição em pedalar tanto, o que é invejavel e principalmente por ter paixão por isso!!!!

  28. Muito show irmão…Que aventura maravilhosa!!!Tem que ter muita disposição pra isso…Parabéns por esta e por muitas pedaladas que ainda virão.Mil beijos.♥

  29. Vitaly, Parabéns pelo texto que está incrível, pela disposição em pedalar tanto, o que é invejavel e principalmente por ter paixão por isso!!!!

  30. Que aventura maravilhosa.Parabéns pela ideia,vou tomar coragem e começar a pedalar também…rsrsr

  31. Que aventura maravilhosa.Parabéns pela ideia,vou tomar coragem e começar a pedalar também…rsrsr

  32. É um caminho longo e maravilhoso para percorrer. Parabéns pela realização!

  33. karaca, vitally muito massa essa aventura… adorei, belíssimo passeio!!! show

  34. O pedal é a vida, é esforço, é empenho, é superação, mas também é prazer, deslumbramento e felicidade!
    Excelente relato.

  35. Nuss curto dmais esses passeios, não vejo a hora de fazer o meu primeiro. Provavelmente eu vou partir de Valença tambem, já que eu vou pra lá todo final de semana e lá ja tem muita gnte que pratica esses esportes bicicletisticos hsushsu E ai Vitaly, curtiu minha terrinha?

  36. Muito bom!!! Esta é uma forma saudável de conhecer a região. Vale a disposição!

  37. o lugar é lindo;pedalar é tudo de bom;mas fala sério q agua fria é essa? vc é guerreiro por andar longe;pé no pedal e vamos a lugares lindos,abraço lucylea

  38. Que lugar lindo!
    Dá pra entender porque esse lugar seria um ótimo caminho para as pedaladas!

  39. Adoro Bicicleta, minha verdadeira paixão, tanto Competição como Cicloturismo, ledo os relatos de sua viagem me lembra as inúmeras vezes que eu e meus irmãos fizemos o trajeto de Cascavel Pr, para Erechim Rs. ficavamos alguns dias lá na casa de parentes e amigos depois voltava-mos para casa, que saudade.

  40. Po…pedalar ebao de + no funil entao…gostaria muito..ainda mais na compania do meu velho amigo vitaly!!! Tdo de bom galera!!!! Paz.

  41. Boa Vitaly.
    Vejo um Hemingway surgindo. Continue descrevendo suas aventuras, mas mantendo o (saudável) mau humor.

  42. Vitaly, obrigada por compartilhar essa emoção com a gente! Parabéns pelo esforço!! Sou doida para conhecer o Funil, me animou mais ainda agora.

  43. Booooooooooooooa! Muito legal Vitaly, Parabéns!! A gente até anima a pedalar assim !!

  44. Ótima matéria! Interessante, divertida e, ao mesmo tempo, levou meu coração e pensamentos de vonta a Valença e suas belezas naturais, depois de tanto tempo. Lindo relato, Vitaly, mal posso esperar para ler sobre outras aventuras nos passeios de bike, nessa bela região e no futuro, quem sabe, pelo Amazonas!

  45. Parabéns Vitaly, bela matéria e muita disposição da tua parte pra percorrer tantos quilômetros no pedal.

  46. Até fiquei com vontade de voltar a pedalar. Estou com saudades de subir na bike e curti um belo pedal nesses dias lindos que tem feito.
    Parabéns pela publicação, Vitaly.

  47. Ótimo texto! Deu muita vontade de curtir uma viagem dessas! Encontrar algo para meditar é fundamental para mantermos a nossa sanidade.

  48. Boa Vitaly. A trilha pro funil assim explicadinha ate anima o povo a ir. Abraco

  49. Vitaly, acho o máximo ter uma paixão esportiva como você! muiiiitooo legal!!!!! ainda tenho um projeto de comprar uma bike e sair por aí pedalando rsrsrsrs quem sabe até nos encontremos em algumas trilha rsrsrsrs

  50. Adoro esse relato, em breve estarei fazendo um desse também!
    Abração, Vitaly.

  51. Lugar paradisíaco mesmo! Estou começando a dar minhas pedaladas! Quem sabe no próximo ano já não estarei em condições de ousar! Parabéns Vitaly, pelo texto e pela pedalada!

  52. quem sabe um dia nao me aventuro numa dessas com você,rssss…deve ser bom demais…

  53. Muito legal a matéria. Também adoro pedalar nos finais de semana. Muito bom.

  54. Que legal esta aventura.

    Muito bacana unir ecoturismo com esporte…

    Lindo passeio!

  55. Q delicia de passeio, me deu até vontade de conhecer. Adorei a matéria, nota 1000. Parabéns Vitaly

  56. Ótimo texto!! Me senti pedalando! Não sabia que o professor Vitaly escrevia tão bem! Parabéns!

  57. Belo passeio, bom texto e um lugar simplesmente espetacular!! Conheço bem e de bike é muito melhor!!!

  58. Mandou muito Vitally!
    Treinamento pra estrada real ou litoral brasileiro??
    kkkkkkkkk
    Parabens, valeu!

  59. Caro Vitaly, muito bem narrada essa aventura. Adorei parece que eu estava junto de vocês de tão rica de detalhes que foi. Lembro bem do acidente com a charrete que você comentou, dei muitas risadas. Continue firme, e seja sempre exemplo de dedicação e vontade. forte abraço.

  60. O texto nos da uma esperança de querermos ir cada vez mais longe, de procurar novos caminhos e explorar o inexplorado…Curti muito

  61. Vitaly, que jornada, que maravilha, que prazer de aventura e qtos lugares maravilhosos.
    Parabéns!!! Com certeza, foi uma viagem inesquecível para vcs.

  62. Pow Vitaly
    Aventura Maneeeeeiiiraaaassaaa hemmm
    Quero estar junto na proxima!
    Forte abracao

  63. Acho que vou comprar uma bicicleta Vitaly. kkkk
    Parabéns!!! Adorei o neologismo “sensuosa”, você escreve muito bem!
    Abraços

  64. Essa viagem de bike é fantástica, como diz a música: funil melhor lugar do Brasil, já fiz esse caminho de bike a noite, com lua cheia, recomendo

  65. o próprio texto ja diz td…”pedal nas nuvens” rs momentos ímpares de suor..cansaço..e no final…e até durante mesmo…muiiitas alegrias!! e muiiitos visuais que nossos olhos e alma agradecerão p/ sempre!!!

  66. Passou um filme aqui na minha cabeça!! Nossa terra, nosso lugar, nossos amigos. Adoro pedalar, quem sabe um dia encaro um esquema desse. É uma idéia e tem tudo a ver com o astral do lugar. Valeu!!!

  67. Cansado só de pensar em pedalar isso tudo, hehehe. Mas muito maneiro a jornada de vocês, ainda mais documentada assim! Boa Vitaly

  68. Parabéns Vitaly pela sua conquista!!! Pedalar a alma é movimentar-se para vida, é mais ou menos isso que interpretei de seu texto, e o que imagino que tenha sentindo depois de sua jornada. Beijão

  69. Inspirador! Parabéns a vocês dois pelo texto, pelas fotos e pela aventura!

  70. Grande Vitaly. Lindo: as fotos e os ciclistas. O feito não é lindo. É fantástico.!! Avoé, meu amigo.

  71. Excelente artigo, parecia que estava pedalando junto com o autor. Deu vontade de fazer o mesmo percurso!

  72. Parabéns Primoooo… Um dia a gente marca a nossa pedalada. Abração.

  73. Que aventura, Vitaly!!! Gostei muito do seu texto. Publique outros!!

  74. Nossa, Vitaly!!! Que disposição! Mas imagino como valeu a pena!

    Gostei do neologismo: “sensuosa”! Rs

  75. Paabéns Vitaly por mostrar essa beleza para quem ainda não teve oportunidade de conhecer. Abraço.

  76. Olha o incentivo que eu precisava pra largar o sedentarismo. Valeu pelo texto meu camarada!

  77. Muito legal!!!! Moramos em um lugar cercado de belezas. O Sua aventura é um bom exemplo para nos incentivar a curtir o que está tão perto de nós. Parabéns!!

  78. Excelente Vitaly! O próximo pedal se eu estiver por aí quero ir também! Mantém fera! Abraço!

  79. Parabéns Vitaly…que vc consiga o prêmio!!!!!!!!!!!!!!!!

  80. Parabéns Vitaly, eu adoro pedalar e ver coisas assim é como se a gente tambem estivesse passado por tudo isso junto.
    mais uma VEz parabéns! um abraço

  81. Nada como fazer o gosta curtindo as delícias que a natureza oferece, bela aventura integrada com a natureza, pedalar dá uma sensação de liberdade.

  82. Viajei juntinho. Revivi várias das minhas pedaladas lá pelos arredores de Viçosa (nem tanto arredores assim). Meu búfalo verde está lá estacionado há anos e eu engordei meio eu mas nunca vou me esquecer da sensação de chegar ao limite do esforço de cada fibra muscular das pernas e perceber que o limite é apenas mental. Além dele a bicicleta, o ciclista e a trilha se tornam um só.

DEIXE UMA RESPOSTA