Cicloturismo: mais de 600km no Caminho das Missões

0
417
Foto: acervo pessoal Marcos Feltrin Scher

Por Marcos Feltrin Scher

Saí de Uruguaiana-RS e percorri mais de 600km em 10 dias no Caminho das Missões, minha primeira viagem de bicicleta. A viagem foi inspirada no caminho das missões, saindo de Uruguaiana-RS.

Caminho das Missões – O roteiro

Caminho das Missões – 1º dia: Destino à Itaqui.

Foi o maior trajeto percorrido, cerca de 110km. Ao chegar na cidade, como em todas as outras a seguir, a rotina foi procurar um hotel barato, lavar a roupa usada para pedalar e sair para o mercado comprar água e algo para comer no café da tarde. Depois eu tinha o resto da tarde e a noite para conhecer a cidade e tirar fotos.

Caminho das Missões – 2º dia: São Borja.

Esse dia foi crucial pois não sabia como seria pedalar cerca de 200km em dois dias seguidos, e foi uma satisfação chegar bem, o que me proporcionou conhecer e ultrapassar os meus limites. No final do dia, pude ainda encontrar meus amigos desta cidade, foi um dia maravilhoso!

Caminho das Missões – 3º dia: Santo Antônio das Missões.

Como nem tudo são flores, nessa cidade não encontrei nada de muito interessante, exceto pessoas muito receptivas, com quem tive a oportunidade de conversar bastante, isso foi o mais gratificante.

Caminho das Missões – 4º dia: São Luiz Gonzaga.

Foi o dia que menos pedalei. Foram apenas 30km. A noite anterior mal dormida, o calor infernal e o vento contra muito forte me fizeram antecipar minha parada. Foi uma escolha certa, pois tive a oportunidade de conhecer essa cidade que, embora pequena, possui lugares muito bonitos de se conhecer.

Caminho das Missões – 5º dia: São Miguel das Missões.

Esse foi o grande dia. Visitei Caaró, onde há um calvário em meio a diversas árvores e uma fonte de água natural, onde pude encher minha caramanhola. É um lugar que transmite uma paz indescritível. Após, o próximo destino foi as Ruínas de São Miguel. Lá tive experiências únicas, onde pude visitar à tarde as ruínas jesuíticas, assistir ao espetáculo de som e luz à noite e, após, tive a oportunidade de conhecer pessoas espetaculares que jamais esquecerei.

Caminho das Missões – 6º dia: Santo Ângelo.

No percurso até a cidade, passei pela Vinícola Fin e não pude deixar de visitar, onde mais uma vez fui muito bem recebido e pude conhecer toda a vinícola de perto. Chegando em Santo Ângelo, enquanto descansava na praça em frente à igreja, um casal simpático veio conversar comigo, com uma curiosidade contagiante sobre a viagem. Inclusive foram eles que se ofereceram à me fotografar em frente à igreja. Isso fez com que minhas forças se renovassem e me proporcionou sentir mais uma vez que eu deixava uma energia boa por onde eu cruzava, o que fez eu sentir mais uma vez que tudo isso estava valendo a pena. Após, no decorrer do dia, visitei muitos lugares bonitos para visitar na cidade, destacando-se a praça, a igreja e a antiga estação ferroviária.

Foto: acervo pessoal Marcos Feltrin Scher
Foto: acervo pessoal Marcos Feltrin Scher

Caminho das Missões – 7º dia: São Paulo das Missões.

Foi um dia de muita pedalada, pois pretendia chegar nessa cidade antes da chuva que estava prevista para o próximo dia. Passei por Guarani das missões, que possui uma praça e uma igreja muito bonitas. O próximo destino foi São Pedro do Butiá, onde há como pontos turísticos a igreja, a prefeitura construída com características da cultura alemã e o centro germânico missioneiro, com uma estátua de 30 metros de São Pedro, um museu e diversos lugares bonitos em meio a caminhos floridos e muito bem cuidados. Após, cheguei no meu destino, São Paulo das Missões, onde o objetivo era fazer uma surpresa aos meus familiares, e a surpresa foi tanta que demorei um bom tempo até fazer eles acreditarem que eu tinha feito todo o caminho de bicicleta.

Caminho das Missões – 8º dia: Fiquei em São Paulo das Missões.

Foi o dia de curtir a chuva que caiu intensamente, e matar a saudade de meus familiares e de contar histórias sobre a viagem. Foi um dia que passou muito rápido.

Caminho das Missões – 9º dia: Foi o dia da volta.

Voltei 60 quilômetros até São Luiz Gonzaga de bicicleta, de onde voltei até Uruguaiana de ônibus, com a bicicleta devidamente embalada e amarrada no bagageiro.

Essa viagem me proporcionou conhecer pessoas excepcionais, lugares maravilhosos, de uma forma totalmente imersiva. Nesses dias pude sentir intensamente que a felicidade está nos detalhes e ter a certeza que precisamos de muito pouco para sermos felizes.

[Nota do blog:] se você vai pedalar pelas cidades desse roteiro, pode consultar campings, albergues, pousadas e hotéis nos links abaixo:

Envie você também a sua história

ATÉ ONDE VOCÊ FOI é o maior banco de histórias e experiências sobre a bicicleta e o ciclismo da internet brasileira. Para conhecer o projeto e enviar a sua história basta clicar aqui

Faça Cicloturismo com segurança

Tão bom quanto viajar de bike é retornar em segurança para planejar os próximos roteiros! Somos comprometidos com a segurança no cicloturismo e disponibilizamos 2 artigos especiais pra você conferir antes de colocar a bike na estrada:

COMPARTILHAR
Artigo anteriorA bicicleta e o lado bom da vida
Próximo artigoSuperação: “o antes e depois da bicicleta”
Até Onde VOCÊ Foi? é um projeto do blog que divulga histórias inspiradoras das pessoas e suas bicicletas. As primeiras pedaladas, sua última viagem de bike e muito mais. O texto é de autoria do leitor indicado no início do post, e as informações e opiniões contidas são de responsabilidade do mesmo. Que tal compartilhar sua história com milhares de leitores? Basta enviá-la para contato@ateondedeuprairdebicicleta.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA