Circuito Vale Europeu de Cicloturismo – Relato

3
475

Por Tibiriçá Gomes de Mendonça

Fazer quatro mineiros “despencarem” 2560 km (ida e volta) até Timbó/SC para pedalar 300 km, só com muito incentivo e uma vontade danada de uma merecida aventura. E valeu!!!
O Circuito Vale Europeu de Cicloturismo é muito bem divulgado entre os praticantes dessa modalidade e mantém uma estrutura de apoio bastante eficiente. Busque na internet o site www.circuitovaleeuropeu.com.br e conheça em detalhes cada trecho da viagem.

Ficamos no Timbó Park Hotel, chegamos com muita chuva que “molhou” um pouco o nosso ânimo. Depois de 1280 km, não havia outra opção, iríamos pedalar com chuva (até de canivete), lama, o que viesse pela frente. No hotel tivemos duas experiências bastante diferentes, primeira com a recepcionista, muito extrovertida, deu uma risadinha ao saber que faríamos o circuito, e comentou: “… a última ciclista que chegou aqui sentou para chorar”, a outra foi com o rapaz que nos atendeu no bar da piscina, o Ricco, “garanto que para vocês vai ser fácil, as estradas aqui são de macadame e não tem lama!” Para mineiro, acostumado com montanhas, as subidas não assustariam.

Primeiro dia, 18/01/2010

Amanheceu com sol! Saímos pelas 9:00 hs da manhã, depois de um bom café da manhã, de arrumar as bicicletas, mochilas, bagageiros, e todos apetrechos para uma viagem sem apoio de seis dias (planejados), sem contar com a passada na loja de conveniências do posto para abastecimento do gelo e da água. Seguindo o roteiro fomos até Pomerode, passando por Rio dos Cedros, e pela rota Enxaimel. Em Cedro Alto, paramos para um refrigerante e água de côco (de caixinha mesmo) em uma localidade bem típica do interior de SC, uma igreja católica (dos descendentes de italianos) e outra Luterana (dos alemães), e a atendente da mercearia alertou: “morro mesmo vocês irão ver daqui para frente”, e fomos nós enfrentar a subida do rio Ada. Ao chegar no destino do dia, tivemos sorte, chegamos durante as festividades da Festa Pomerana. A Pousada Blauberg é muito boa, confortável, tem ar condicionado, e a dona é muito gentil e atenciosa. Ao final da tarde tomamos muito chope e aproveitamos a festa da cidade.

Segundo dia, 19/01/2010

Muito sol e calor, fomos para Rodeio, neste dia cortamos o roteiro original em um dia. Passamos por Indaial, onde paramos para almoçar e fugir do sol (para lá dos 30º) e tomamos a melhor água tônica do Brasil. Depois de um descanso partimos para Rodeio, trecho tranquilo e plano. Passamos pela ponte pênsil do Warnow, muito interessante! Em Rodeio ficamos no Hotel Villa Paradiso (fui informado que fechou), com direito a cachoeira e piscina aquecida e coberta. À noite fomos jantar no Vale das Trutas, no restaurante do Sr. Cordeiro, tirando a mordida que levei de sua cachorrinha poodle (estava com cria nova, irritadíssima), comemos um rodízio de trutas que é simplesmente irretocável, o melhor peixe que já comi em minha vida, vários temperos, vários pratos, com destaque para a truta com amêndoas. Hummmm !!!!!!! Sensacional!.

Terceiro dia, 20/01/2010

Este é o dia, de cara 8 km de subida. Lá fomos e devagar se vai ao longe e ao alto. Passamos pela região que foi devastada pelas chuvas de novembro de 2008, e quando procuramos pelo laticínio que era referenciado no roteiro encontramos com dona Cida que nos contou toda a tragédia da família que tinha o laticínio, e tudo (casa, curral, animais, a venda, os equipamentos e quase toda a família) ficou soterrado pelo desmoronamento da encosta atrás do local. Triste notícia, e depois ficamos sabendo que o casal era um grande incentivador do circuito, era novo e tinha um grande espírito de empreendedorismo. Passamos pela igreja toda construída em estilo enxaimel. Chegamos a Dr. Pedrinho, ficamos no Hotel Negerbon da dona Hilda, muita simpatia, um jantar caseiro para matar a fome de quatro bois esfomeados, roupa lavada e seca, e lanchinho para o dia seguinte.

Quarto dia, 21/01/2010

Depois do café da manhã e do preparo do lanche do dia, além do preparo psicológico para enfrentar aquele dia chuvoso, pegamos o caminho para Alto dos Cedros. Este dia passamos pelos locais mais isolados de todo o circuito. Em certas partes há poucas fazendas e casas, e ninguém para perguntar qualquer coisa! Trecho muito interessante, mas com aquela impressão que a subidinha não vai acabar nunca, e alguns trechos técnicos com pedras soltas, atravessamos dois ribeirões e no final do percurso a estrada encontra a represa, trazendo um novo e belo visual, e chegamos sem encontrar uma viva alma, dia chuvoso, de meio de semana, ninguém por essas bandas. Tínhamos que achar onde iríamos ficar, a pousada da família Duwe, e ao passarmos pela represa encontramos o Sr. Raulino e depois da travessia de barco até a sua pousada pudemos descansar e jantar esplendidamente bem. Lugar pitoresco e sossegado, antes de escurecer o dia já estávamos na cama, depois de todas as cervejas disponíveis na geladeira, é claro!

dsc01089

Quinto dia, 22/01/2010

De manhã parecia que o tempo iria melhorar, mas foi só um suspiro de esperança, logo o dia voltou a ficar chuvoso. Tocamos para Palmeiras, e resolvemos seguir para Timbó. Boa pedalada no dia, e haja pernas para subir na localidade do Rio Cunha. Chegamos no mesmo hotel do primeiro dia e após uma boa noite de sono voltamos para BH. Chuva e muita chuva, e fomos abençoados, fizemos todo o caminho de volta sem nenhuma interrupção ou engarrafamento, porém ao chegarmos as notícias eram de interrupção na Regis Bittencourt, Fernão Dias e Dutra. Em São Paulo o “mundo desabou”.

[Nota do blog:] se você vai pedalar pelo Circuito de Cicloturismo Vale Europeu, pode consultar campings, pousadas e hoteis nos links abaixo:

Dicas de Hospedagem nesse Roteiro

Você pode reservar hotéis, pousadas, hostels e até casas de hóspedes através do Booking.com. Assim terá muitas opções para comparar e escolher a que vai te atender da melhor forma.

Envie você também a sua história

ATÉ ONDE VOCÊ FOI é o maior banco de histórias e experiências sobre a bicicleta e o ciclismo da internet brasileira. Para conhecer o projeto e enviar a sua história basta clicar aqui

Faça Cicloturismo com segurança

Tão bom quanto viajar de bike é retornar em segurança para planejar os próximos roteiros! Somos comprometidos com a segurança no cicloturismo e disponibilizamos 2 artigos especiais pra você conferir antes de colocar a bike na estrada:

COMPARTILHAR
Artigo anteriorDesafio das Pontes: da Cachoeira do Itiquira à Chapada dos Veadeiros (GO)
Próximo artigoCicloviagem Navegantes (SC) a Gramado (RS)
Até Onde VOCÊ Foi? é um projeto do blog que divulga histórias inspiradoras das pessoas e suas bicicletas. As primeiras pedaladas, sua última viagem de bike e muito mais. O texto é de autoria do leitor indicado no início do post, e as informações e opiniões contidas são de responsabilidade do mesmo. Que tal compartilhar sua história com milhares de leitores? Basta enviá-la para contato@ateondedeuprairdebicicleta.com.br

3 COMENTÁRIOS

  1. seguindo esse roteiro de 5 dias, não é possivel pegar o certificado… ou sim?

  2. Sim, não tivemos problemas com os carimbos do certificado. Vai passando pelos locais autorizados e carimbando!!

DEIXE UMA RESPOSTA