Expedição Pirineus (GO) – 95 km de pedal

1
364

Por Erivaldo Caltran

Sempre que algum amigo ciclista comentava que tinha pedalado mais de 50 km num só dia, eu me perguntava: será possível? Todas as trilhas (trilhas mesmo), tem boas ladeiras e subidas infernais. Como conseguem? Quem faz trilha, sabe que pedalar por mais de 4 horas debaixo de sol escaldante como o de Goiás, acaba com o ânimo do começo do pedal. Mas enfim, eu resolvi testar minha resistência no último dia 12/10.

Acordei as 4:00 da madruga, coloquei a bike no carro e fui até Anápolis, que fica a 60 km de Goiânia. Deixei o carro na casa de um amigo e partimos pra 95km de pedal até a cidade de Pirenópolis. Detalhe, não fomos pelo asfalto.

Os primeiros 30 km foram mamão com açúcar pra todos. Éramos uma turma de 100 ciclistas, entre profissionais e amadores. Saímos as 7:00 e as 9:00 fizemos a 1ª parada pra hidratação (haja água). Saindo da parada já prevíamos que o calor ia castigar, mas ele fez mais. Teve de tudo, pneu estourando, roda saindo, ciclista colidindo com outro ciclista, passando direto na curva e ralando a cara toda e por aí vai.

Na 2ª parada, com 60km percorridos parecia que estávamos sendo cozidos num caldeirão. O calor tava demais. A água não gelava no carro de apoio. Muitos ciclistas (incluindo eu), já estavam pegando pedaços de gelo e colocando nas Camelbaks.

Partimos para os 30 km finais. Alguns já vinham de carona no carro de apoio. A elite disparou e não tinha Cristo que os acompanhasse. Até ali eu queria só concluir, mas ao vê-los na frente, sabe como é né! Coloquei marcha no trator me misturei a eles. Tinha hora que a poeira era tanta que dava medo de colidir, mas tava legal.

Ah, levei uma boa dose de carbogel, que me deu um adicional legal de energia, além de ter comido quase uma dúzia de bananas nas paradas, rs. Chegamos em Pirenópolis as 13:30 e fomos degustar um belo almoço.

Resumindo galera: matei a vontade, mas não vou repetir tão cedo. No dia seguinte eu tinha a sensação de ter sido atropelado por uma locomotiva. O excesso de desidratação abalou tudo.

image

Vou manter minhas trilhas de 30, 40 ou 50km que tá bom demais, rs. Nada que me impeça de uma vez por ano fazer um passeio mais longo.

Para quem nunca foi em pedais longos fica a dica: é uma delicia, paisagens incríveis, novas amizades, superação, e é claro, diversão.

E foi até onde deu pra eu ir de bike.

Dicas de Hospedagem nesse Roteiro

Você pode reservar hotéis, pousadas, hostels e até casas de hóspedes através do Booking.com. Assim terá muitas opções para comparar e escolher a que vai te atender da melhor forma.

Envie você também a sua história

ATÉ ONDE VOCÊ FOI é o maior banco de histórias e experiências sobre a bicicleta e o ciclismo da internet brasileira. Para conhecer o projeto e enviar a sua história basta clicar aqui

Faça Cicloturismo com segurança

Tão bom quanto viajar de bike é retornar em segurança para planejar os próximos roteiros! Somos comprometidos com a segurança no cicloturismo e disponibilizamos 2 artigos especiais pra você conferir antes de colocar a bike na estrada:

COMPARTILHAR
Artigo anteriorHistórias de Audax: “Vou ali pedalar 600km e volto para almoçar.”
Próximo artigoPara o joelho operado, ciclismo.
Até Onde VOCÊ Foi? é um projeto do blog que divulga histórias inspiradoras das pessoas e suas bicicletas. As primeiras pedaladas, sua última viagem de bike e muito mais. O texto é de autoria do leitor indicado no início do post, e as informações e opiniões contidas são de responsabilidade do mesmo. Que tal compartilhar sua história com milhares de leitores? Basta enviá-la para contato@ateondedeuprairdebicicleta.com.br

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns pela coragem e excelente depoimento!! Tb sou de Goiânia e quero vencer o desafio até Pirinópolis um dia.

DEIXE UMA RESPOSTA