Mountain Bike: 237 km no pedal Brasília – Cristalina (GO)

0
485
Foto: acervo pessoal Max Djamys

Por Max Djamys

Há cerca de oito meses atrás, o grupo de ciclismo Família Maximus no Pedal desbravou uma nova trilha entre Brasília e o município goiano de Cristalina. No total, foram cerca de 237 quilômetros, em uma maratona digna de ser percorrida, com fortes subidas, principalmente em sua parte final. Para se ter uma ideia do nível de dificuldade, nas descidas os ciclistas atingiram velocidades de até 70km/h, enquanto que nos aclives, a velocidade não passou de 6km/h. Durante o percurso de ida, o consumo médio de líquidos, entre água e suplementos, foi de 5 litros por pessoa.

O trecho inicial da viagem (74km) nos levou até a Fazenda da Senhora Mara, que fizemos em cerca de 3 horas de viagem. Lá, fomos muito bem recebidos com um bom papo e um tradicional cafezinho, enquanto nos preparávamos para pegar a balsa de travessia do Rio São Bartolomeu. A balsa, com cerca de 30 anos de idade, é operada manualmente. Devido a isto e ao nosso cansaço, levamos quase 40 minutos para atravessar os 30 metros de largura do rio. Como éramos apenas dois ciclistas (eu e o Celso Luiz P. Santos), o trabalho de puxar a corda foi extenuante, pois além do peso da balsa, a força da correnteza dificultava bastante.

Após essa travessia começa uma das partes mais difíceis, onde o terreno é bem acidentado e rochoso e as subidas predominam praticamente até o destino final. O local do término da trilha é na BR 050, quase 18 quilômetros do centro da cidade, no sentido Catalão para Cristalina. O percurso de ida, foi feito em quase 6 horas de pedalada, com o tempo total da cicloviagem de 7 horas. O Ganho de elevação do ponto de partida Parque Estrela Dalva IV em Luziânia até o centro da Cidade de Cristalina, na Rua Coronel João José Taveira, foi de 1.164 metros.

Foto: acervo pessoal Max Djamys
Foto: acervo pessoal Max Djamys

BSB – Cristalina – Depois de um bom e merecido descanso, a volta começou bem empolgante. Começamos em ritmo forte, mas depois de aproximadamente 30 quilômetros de percurso em uma descida a quase 60km/h, o pneu da bike do Celso furou. Levamos um bom tempo reparando a câmara de ar, o que quebrou nosso ritmo e a concentração. Como consequência, erramos o caminho em cerca de 7 quilômetros e aumentando nosso tempo de pedal na estrada.
Na volta, obtivemos um tempo médio de 7 horas de pedalada, com um total de 9 horas de cicloviagem, finalizando ida e volta em 16 horas.

O lugar é muito bonito, cercado por muitas fazendas e próximo a barragem Corumbá III. Lindo, mas com alto grau de dificuldade.
A parte mais engraçada foi quando uma boiada de Nelore colocou o amigo Celso para correr. Nem parecia que já estávamos cansados, pois o garoto deu um mega sprint de categoria!

Dicas de Hospedagem

Você pode reservar hotéis, pousadas, hostels e até casas de hóspedes através do Booking.com. Assim terá muitas opções para comparar e escolher a que vai te atender da melhor forma.

Envie você também a sua história

ATÉ ONDE VOCÊ FOI é o maior banco de histórias e experiências sobre a bicicleta e o ciclismo da internet brasileira. Para conhecer o projeto e enviar a sua história basta clicar aqui

Faça Cicloturismo com segurança

Tão bom quanto viajar de bike é retornar em segurança para planejar os próximos roteiros! Somos comprometidos com a segurança no cicloturismo e disponibilizamos 2 artigos especiais pra você conferir antes de colocar a bike na estrada:

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMinha história com a bike: do sedentarismo aos 100km
Próximo artigoProjeto Rota Sul Km a Km
Até Onde VOCÊ Foi? é um projeto do blog que divulga histórias inspiradoras das pessoas e suas bicicletas. As primeiras pedaladas, sua última viagem de bike e muito mais. O texto é de autoria do leitor indicado no início do post, e as informações e opiniões contidas são de responsabilidade do mesmo. Que tal compartilhar sua história com milhares de leitores? Basta enviá-la para contato@ateondedeuprairdebicicleta.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA