Pedalada no Vale dos Templos

0
539
Foto: acervo pessoal Marcio Oliveira Brito

Por Márcio Oliveira Brito

Em um domingo ensolarado planejei fazer uma pedalada ao Vale dos Templos, em Itapecerica da Serra. O plano seria ir pela área urbana e voltar pela estrada que liga Itapecerica da Serra a Embu-Guaçú, fazendo todo o trajeto em forma de círculo.

Bicicleta e acessórios verificados, parti para o centro de Itapecerica da Serra, onde encontrei as placas indicando o caminho para o Vale dos Templos e Kinkaku-ji.

O Vale dos Templos Kinkaku-ji.

O Kinkaku-ji do Brasil é uma réplica do templo Kinkaku-ji japonês de mesmo nome construído no século XIV e assim como seu modelo, o Kinkaku-ji é entornado por um lago povoado por carpas coloridas. Diferentemente do seu modelo japonês, o Kinkaku-ji do Brasil é um templo ecumênico e um cinerário, ao passo que o Kinkaku-ji japonês é um templo de orientação zen-budista. Em seu interior, além de vários columbários, há salas onde se realizam cerimônias ecumênicas como missas, batismos e casamento. Com uma certa frequência, realizam-se cerimônias fúnebres pós-cremação, seguindo o rito japonês e o costume de preservar as cinzas dos seus ancestrais.

Pedalei aproximadamente 2 km em estrada asfaltada e entrei numa estrada de terra ladeada por bastante vegetação e algumas poucas casas. O caminho é relativamente curto e depois de mais 2 km de pedalada na estrada de terra, peguei uma subida pavimentada bem inclinada e, no meio da subida, entrei numa estradinha à direita, com uma placa escrita “Enko-ji”.

Para entrar pela porta principal do Kinkaku-ji teria que ter continuado a subida até o final, mas como iria voltar por outro caminho, optei entrar pela porteira do outro lado do Kinkaku-ji, onde também entram os veículos. Por isso peguei a estradinha à direita que, primeiro sobe e depois desce bastante, contornando o Kinkaku-ji, saindo no portão dos fundos, onde fica o lago e o templo Enko-ji.

Chegando ao Kinkaku-ji, fiz um lanche, tirei algumas fotos e fiquei por um bom tempo contemplando a paisagem e os templos.

Vale dos Templos
Pedalando no Vale dos Templos. Foto: acervo pessoal Marcio Oliveira Brito

Terminada a visita, adentrei em uma estrada bem estreita e ladeada por uma mata densa. O percurso também é curto, mas muito prazeroso por causa da vegetação exuberante, dos lagos naturais e do cantar dos pássaros. Pedalei por 2 km e saí novamente numa rua asfaltada, porém com uma subida muito pesada. Vencido o desafio, saí no topo de um morro onde tive uma vista privilegiada de Itapecerica da Serra, Embu-Guaçú, da Represa do Guarapiranga, da zona sul e zona oeste da capital paulista e até da Avenida Paulista…

Após um tempo de contemplação, retomei a pedalada. Entrei no km 39 da Estrada Bento Roger Domingues. De lá para o centro de Itapecerica da Serra são aproximadamente 3,5 km. A estrada é bastante percorrida por caminhões, mas como nesse trecho há acostamento, não corri riscos desnecessários para chegar ao final do meu roteiro.
Essa foi fácil, mas não menos prazerosa!

Dicas de Hospedagem nesse Roteiro

Você pode reservar hotéis, pousadas, hostels e até casas de hóspedes através do Booking.com. Assim terá muitas opções para comparar e escolher a que vai te atender da melhor forma.

DICA FINAL: Faça Cicloturismo com segurança

Aqui no blog somos comprometidos com a segurança no cicloturismo e trazemos uma oportunidade pra você que nos acompanha.

Disponibilizamos um comparador de preços de Seguro Viagem pra te ajudar a planejar seu pedal com segurança e ainda economizar uma grana.

Basta colocar o destino e as datas abaixo para comparar os preços de todas as seguradoras e escolher a melhor opção para a sua viagem.

Essa é uma parceria entre o blog e a Real Seguro Viagem. Você economiza na sua viagem e ainda apoia o Até Onde Deu pra Ir de Bicicleta a continuar produzindo conteúdo de qualidade sobre cicloturismo 🙂

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here