Opinião: pedalando com ciclocomputador e cardiofrequencímetro

2
449
.
.

Quando comecei a andar de bicicleta “de verdade” (utilizando a bike diariamente, como meio de transporte, além das pedaladas por lazer) comprei um ciclocomputador e utilizava um programa chamado Bikelog no computador para registrar os dados de cada pedalada. Comprei também um monitor cardíaco com um monte de funções, e passei então a controlar também meu corpo. Ao longo dos anos fui percebendo a modificação das minhas atitudes diantes dos novos brinquedinhos. Com o cardiofrequencímetro, procurava manter meus batimentos cardíacos em determinadas faixas. Com o ciclocomputador, ficava muito ligado na questão da distância, velocidade média, do tanto que já havia pedalado no total etc.

É realmente tudo uma questão de atitude, de como você se relaciona com a tecnologia (que eu particularmente acho muito legal). Mas o significado de pedalar foi mudando pra mim. Percebi que estava ficando algo muito exato, muito numérico pro meu gosto, quando saquei que desde o início o que eu curtia era pedalar mesmo. Abandonei por cerca de 2 anos o ciclocomputador.

O cardiofrequencímetro eu aposentei de vez. Não estava achando legal controlar meu coração em função do percurso, e sim que o percurso ditasse o ritmo de meus batimentos. Desde dezembro do ano passado, quando comprei Joelma, retornei com o ciclocomputador e o registro das pedaladas. Mas agora com outra postura. Acho interessante para controlar o desgaste das peças, e claro, também gosto de saber sobre meu desempenho, quantos quilômetros já pedalei, além de dividir com outras pessoas dados sobre cicloviagens, trilhas etc. Mas sem aquela preocupação em manter médias de velocidade, de pedalar muito ou pouco.

Pra quem já usa ou pensa em registrar os dados das pedaladas, recomendo o programa Sports Tracker. É gratuito e fácil de usar. Serve para todos os tipos de esportes, e é compatível com celulares android, nokia, iphone etc., e disponibiliza mapas dos trechos percorridos. Tem a possibilidade de “interagir” com dados de monitores cardíacos e mais um monte de funções que não utilizo. É necessário ter Java instalado no computador.

Ah, essa tecnologia… tão sedutora… Quem sabe um dia ainda não compro um GPS?

Atualização: e não é que eu comprei um! Veja minha opinião nesse post.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA