Repercussão

2
303

Do site da BHTRANS

http://www.bhtrans.pbh.gov.br/portal/page/portal/portalpublico/Imprensa/ciclistas%20pedem%20ciclovia%20antonio%20carlos

Ciclistas pedem ciclovia na Antônio Carlos

Associação Mountain Bike BH solicita faixa exclusiva para bicicletas na Avenida Antônio Carlos

Uma comissão de ciclistas integrantes da Associação Mountain Bike BH entregou ao presidente da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTRANS), Ramon Victor Cesar, neste sábado (21/06), na Praça da Liberdade, a solicitação para que as obras da avenida Antônio Carlos incorporem uma via exclusiva para bicicletas. Cesar disse que vai entregar a carta ao prefeito Marcio Lacerda. Cerca de 70 ciclistas participaram do protesto, que teve como ponto alto a entrega de uma carta ao presidente da BHTRANS. Além de pedirem que a empresa inclua uma ciclovia na Antônio Carlos, o documento enumera pelo menos mais cinco solicitações.

Segundo o analista de sistemas e ciclista Humberto Guerra, um dos organizadores da manifestação, a ciclovia da Antônio Carlos foi pensada em função das exigências da Fifa para a cidade sediar a Copa de 2014. “A Fifa preconiza que haja transporte alternativo para dar acesso aos locais dos jogos, e pensamos que uma ciclovia na avenida irá desafogar o trânsito intenso nos dias de competição”, disse. Segundo estimativa da Mountain Bike BH, as obras da ciclovia com a avenida ainda em construção ficarão em 10% do valor total do que custariam com as obras concluídas. Cada quilômetro de ciclovia custa cerca de R$ 100 mil. Segundo a BHTRANS, as obras com cinco ciclovias previstas para começarem este ano devem ficar em torno de R$ 700 mil.

De acordo Humberto Guerra, eles pedem também mais campanhas educativas para melhorar a convivência com os motoristas nas ruas, sinalização apropriada, bicicletários seguros e liberação dos parques para o trânsito das bikes. “Recomendamos também que as pessoas saiam com suas bicicletas às ruas porque é preciso criar demanda para as medidas que precisam ser tomadas. Além disso, o motorista precisa estar condicionado a ver o ciclista para ver essa convivência com naturalidade”, disse Guerra, emendando que, há dez anos, abriu mão de usar carro.

O presidente da BHTRANS disse que, na próxima semana, deverá ter reuniões com a Sudecap (Superintendência de Desenvolvimento da Capital), a Secretaria Municipal de Políticas Urbanas e o DER (Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais). “As obras da Antônio Carlos já estão na reta final (previsão de término em abril de 2010). Vamos ver o que é possível fazer quanto à ciclovia a esta altura”, argumentou Ramon Victor Cesar. Ele disse também que os projetos previstos para cinco ciclovias, num total de 19 quilômetros, devem ser encerrados no final de julho. No segundo semestre, entram em execução as obras das ciclovias da Avenida Vilarinho, em Venda Nova; a que ligará essa via à Avenida Portugal; uma que começará na altura da Avenida Américo Vespúcio com Bernardo Vasconcelos e irá até o Cemitério da Paz; a da Avenida do Canal, no Barreiro, e a ciclovia da Professor Moraes em direção ao Boulevard Arrudas.

Nota do blog: para ver fotos do pedal manifesto clique aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Extremamente necessárias as revindicações. Quem tem um cotidiano no trânsito em cima de uma bike sabe o quanto a conscientização dos motoristas é fundamental. Acredito que essa deva ser a prioridade, a cilclovia, por suas questões politico-financeiras, acaba sendo uma requisição a longo prazo – da qual não devemos desistir. Mas ensinar o motorista a respeitar o ciclista é algo imediato e que requer um pouco menos de verba. Continuemos na luta.
    hasta.

  2. Que bom saber que as reivindicações estão gerando frutos. O movimento não pode é parar e esperar, tem que continuar pegando no pé pra que as ciclovias saiam de verdade. É isso aí!

DEIXE UMA RESPOSTA