Cicloturismo: Subida da Serra da Piedade – Parte 1 (relato)

5
753

Ultima atualização em 20/05/2015

Sábado 23/05 foi dia de cicloturismo. E um pedal especial. Marquei com o Barba de fazermos a subida da Serra da Piedade, que fica na cidade de Caeté (MG), a aproximadamente 55km de Belo Horizonte. Eu já tinha pedalado até lá por duas vezes: a primeira não me lembro bem, por volta de 2002, e a segunda recentemente, no dia 03/05. Para meu amigo, seria a primeira vez, e ainda, a primeira pedalada com mais de 100 km.

Saímos cedo da minha casa, as 5:30 da manhã, e em pouco menos de uma hora já estávamos em Sabará (+- 18km lá de casa). Uma parada rápida no centro histórico para fotos e seguimos rumo a estrada para Caeté. A idéia era pegar a estrada de asfalto que liga Sabará a Caeté e depois seguirmos para a subida da Serra.

O centro histórico de Sabará - MG
O centro histórico de Sabará – MG

Porém, ao dar uma breve parada no início da estrada para “aliviar”, um comentei com meu amigo que tinha uma saída de terra a esquerda que era uma trilha, que eu não conhecia, mas que todos diziam que ia pra Caeté, passava pela linha do trem, por um túnel desativado etc. No mesmo momento passa um morador, percebe nosso interesse e diz: “essa trilha sai lá no Pompéu”, referindo a cidade de Pompéu, que ficava entre Sabará e Caeté. Chegamos perto e vimos o poste sinalizador de um dos caminhos do circuito turístico da Estada Real: o Caminho do Sabarabuçu.

O caminho é sinalizado com os postes do circuito turístico Estrada Real
O caminho é sinalizado com os postes do circuito turístico Estrada Real

Resolvemos então desistir do projeto inicial de ir pelo asfalto, e experimentar a estrada de terra. Estavamos até o momento com 24km rodados. Estrada boa, bonita, vazia, e praticamente reta, evitando as subidas do asfalto. Pedalamos por mais 7km, sendo que nas bifurcações seguíamos sempre a sinalização. Nesse momento um trecho crítico: o caminho apontava para uma trilha fechada, com uma subida forte e acidentada, impossível de ser vencida pedalando. Após alguns momentos de dúvida, passa por nós um caminhante, que nos informa que o caminho da trilha estava muito fechado mais a frente, e que a outra opção nos levaria ao trecho correntemente frequentado por ciclistas, que passava sob o túnel.

Barba pedalando: ainda cedo, o início tranquilo no estradão de terra batida...
Barba pedalando: ainda cedo, o início tranquilo no estradão de terra batida…
que ao longo de +- 6km ia se transformando em uma trilha mais fechada
que ao longo de +- 7km ia se transformando em uma trilha mais fechada

Que opção tomar? Ir pelo caminho mais fácil e normalmente pedalado ou seguir rumo ao desconhecido, e subindo com a bike nas costas?

Continua (parte 2)…

5 COMENTÁRIOS

  1. Outra opção que a turma praticante de boulder conhece bem: a estrada da Pedra Rachada.O melhor visual(pois você pedala cortando as montanhas pelo alto),estrada de terra em boa conservação,passa pela Pedra Rachada (muito bonito) seguindo uns 9 km até a portaria de uma mineradora (Brumafer,destruidora) desativada por ordem judicial.Nessa portaria não há ninguém,é certo,você ignora a placa que diz:proibido o trânsito de ciclistas e motociclistas,atravessa a mineradora reparando o que ela fez numa face da Serra da Piedade e sai pela outra portaria,aí sim,com guarda.Mas não se preocupe,tudo o que eles querem é que você saia dali.Não irão te barrar.Você sai pertinho do trevo da serra,bem no começo dela. Mas não volte por esse caminho,pois quem está de bike passa obrigatoriamente por esta portaria.Quem está a pé pode cruzá-la pelo mato como eu já fiz,descendo a Serra da Piedade,passando pela cerca de arame farpado ao lado das antenas da aeronáutica(ou exército)evitando assim uma volta quilométrica.De lá de cima você planeja na hora,pois você tem a visão quase completa da estrada de terra.Explicando melhor como chegar ao caminho da Pedra Rachada:você vem de BH pela rota que faz o ônibus Sabará/BH,passa em frente o Campo Siderúrgica e a Belgo Arcelor,logo à frente está o ponto final do 4988.Siga direto .A uns 2km à frente existe uma rotatória.Pare e tome um refri no boteco do meu amigo Alexandre,atravesse a pequena ponte e você verá um pontilhão de ferro desativado.Essa estrada é a que liga Sabará a Caeté.Não vá por aí.Entre à esquerda numa pequena subida e você irá avistar um marco da Estrada Real(Caminho do Sabarabuçu).Pare. À esquerda uma ponte de madeira.Atravesse-a e suba à direita.Mais à frente os grandes pilares do pontilhão BH-Vitória.Siga a estrada à sua esquerda (deve ter alguma placa sobre a Vale) e na primeira bifurcação que encontrar vire à direita e você irá passar ao lado da portaria da Vale,sentido Ravena.No caminho irá encontrar água fresca em dois pontos(que eu me lembre):uma bica de água limpinha a uns 3 km desta portaria e outra no pé da Serra da Piedade,à direita da cruz no trevinho da serra.Numa grande placa mais à frente na bifurcação que vai para Ravena você verá a minha marca “POLAR”,COMO MANIFESTO PELA AÇÃO DA MINERADORA.Siga pela direita e curta o visual da Pedra Rachada e se animar vá ao topo dela,pois tem diversas trilhas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here