Minha história com a bike: “o que me importa é pedalar”

0
313
Foto: acervo pessoal Tânio Cintra

Por Tânio Cintra Oliveira

Olá amigos ciclistas, venho por meio deste “banco de histórias” para lhe dizer o que o ciclismo me proporcionou e me proporciona até os dias atuais, vou contar um pouco da minha historia abaixo e vamos deixar de nos gabar com distâncias e locais.

Me chamo Tânio, tenho 24 anos e moro em Franca, uma cidade do interior de São Paulo. Comecei a pedalar constantemente há 3 anos atrás para obter resultado na academia. Iniciante, comecei com uma bike parada na garagem. Perdi 30 kg com o ciclismo e após 3 meses larguei a academia e nunca mais parei de pedalar.

O que me importa é pedalar

Gostava da velocidade, da adrenalina no corpo, até que certo dia andei em uma bike Caloi 10 dos anos 80. Poxa, meu rendimento aumentou muito, a velocidade era outra, fiquei encantado com aquela experiência diferente. Após alguns tempo juntei uma grana e comprei uma Caloi 10 também, e após este dia não parei com as bikes.

Hoje tenho minha bike de competição speed, tenho uma bike cross, uma Monark Brisa, Caloi mtb mais antiga, Caloi 10 e ando em todas. Foi ai que percebi que não me importa se a bike e boa ou ruim. O que me importa é PEDALAR.

o que me importa é pedalar
O que me importa é pedalar. Foto: acervo pessoal Tânio Cintra

Era como um hobby colocar meu capacete para sentir toda liberdade que uma bike tem para nos proporcionar, mas hoje pratico como um esporte e procuro alcançar minha meta. Procuro ser um profissional, a sensação de sentir a brisa do vento em meu rosto, sentir o prazer de descer uma montanha, o prazer de subir km’s de subida, de matar aquela manobra tão desejada, ou a sensação de missão cumprida por não utilizar o carro ajudando no transito e o meio ambiente ou simplesmente quem quer obter resultados emagrecendo e que pega amor ao ciclismo.

Bike é igual raça, cada ciclista tem seu estilo, tem a sua bike, e cada bike sua modalidade. Cada ciclista sabe do seu valor pelo esporte praticado, mais não digo em valor material mais sim e valor sentimental, por isso dedico grande parte do meu tempo para o ciclismo, tenho uma dedicação a ele como dedico ao meu filho.

Envie você também a sua história

ATÉ ONDE VOCÊ FOI é o maior banco de histórias e experiências sobre a bicicleta e o ciclismo da internet brasileira. Para conhecer o projeto e enviar a sua história basta clicar aqui

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCicloturismo: de San Francisco a Santa Cruz (CA)
Próximo artigoCicloturismo: 760 km por Santa Catarina
Até Onde VOCÊ Foi? é um projeto do blog que divulga histórias inspiradoras das pessoas e suas bicicletas. As primeiras pedaladas, sua última viagem de bike e muito mais. O texto é de autoria do leitor indicado no início do post, e as informações e opiniões contidas são de responsabilidade do mesmo. Que tal compartilhar sua história com milhares de leitores? Basta enviá-la para contato@ateondedeuprairdebicicleta.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA