Começando a pedalar longas distâncias

29
813

Começando a pedalar longas distâncias

Já que estou estreando como colunista do blog, achei que seria interessante falar sobre começos, e um tema bem interessante aos bikers é a questão das primeiras pedaladas, principalmente as mais longas. Nos grupos de ciclistas espalhados por aí, volta e meia este tema está em discussão, pois sempre tem gente entrando e saindo dos mesmos: garotos e garotas curiosos, senhores querendo melhorar sua condição física, bikers recém-chegados nas cidades, e malucos de todo tipo. Sinceramente acho que qualquer um pode se aventurar no ciclismo, seja MTB, speed, cicloturismo ou transporte, mas, por outro lado, penso que para início de conversa devemos observar algumas considerações básicas.

Pra você que já pedala:

-ajude o próximo: o estreante que quer pedalar longas distâncias chega cheio de dúvidas e receios, muitas vezes não entende muita coisa sobre o equipamento, sobre os caminhos etc., portanto os mais “experientes” devem auxiliá-lo, lembre-se que você também começou um dia, ou seja, nada de tentar se dar bem em cima de quem está começando.

-não deboche do equipamento alheio: esta é uma prática que já deveria ter sido abolida. Ninguém usa um equipamento de baixa qualidade por puro sadomasoquismo e nem todo mundo pode comprar aquela superbike de luxo (apesar de todos termos o direito de sonhar com uma). Lembro que quando comecei, e isso não faz muito tempo (pedalo há apenas dois anos), eu usava uma bike super pesada (17,5kg), com 21 marchas ruins e pneus velhos, era um verdadeiro tanque de guerra atolado na lama, mas foi com ela que comecei, com ela que passei meus primeiros apertos, fiz meus primeiros ajustes e aprendi os primeiros macetes. Cheguei a ouvir algumas piadinhas, mas no geral eu recebia incentivos, muitos incentivos, do tipo: “caraca muleque, tu é corajoso de encarar a trilha com essa bike”, ou “tu ta pedalando bem hein? Quando comprar uma bike de verdade então…” Enfim, incentive e oriente seus novos parceiros(as) a adquirir equipamentos que tragam mais qualidade e conforto às pedaladas, mas nunca os menospreze.

Para quem está começando:

-não compre uma superbike logo de cara: bicicletas luxuosas, equipadas e ultraleves são sonhos de qualquer um, mas sonhos caros; se você está começando, peça dicas aos seus parceiros de pedal ou a um vendedor de confiança. Se puder, compre uma bike mediana; talvez numa bike mais barata a gente sinta mais confiança para aprender a fazer ajustes e se preocupe menos com tombos, arranhões no quadro e possíveis peças quebradas.

-não minta: se você está começando, diga que está começando. Nunca, mas nunca mesmo, minta sobre isso. O grupo que está lhe recebendo certamente vai adequar a pedalada às necessidades de quem está começando. Geralmente, os grupos já têm marcados os dias e horários das pedaladas mais leves ou mais pesadas. O perigo de mentir sobre isso é passar um baita aperto num passeio inicial, já vi inclusive gente que nunca mais quis subir numa bicicleta. Cabe aqui até um “causo”: certa vez, eu e um colega de trabalho estávamos conversando sobre as últimas pedaladas quando um conhecido se aproximou e comentou que também pedalava e que gostaria de nos acompanhar. Prontamente combinamos com ele um rolé para o fim de semana seguinte, mas não nos esquecemos de perguntar sobre a experiência e condições físicas dele, e a criatura respondeu que estava a pleno vapor, pedalando cerca de 70km, três vezes por semana. Ok, ótimo então. Nunca poderei provar se o cara mentiu ou não, a questão é que na primeira subida mais forte o bichinho já estava empurrando a bicicleta, no fim das contas a criatura quase morreu, parecia mais Cristo carregando a cruz do que um ciclista sobre uma bicicleta, nunca mais apareceu.

ate-onde-deu-pra-ir-de-bicicleta-sombra-ciclista

acredite: eu sei que quando aquele vizinho lhe contou que pedalou 150km num só dia, você achou aquilo impossível, impensável, chegou a espalhar para a vizinhança que o cara era um baita “caôzeiro”, ou então achou que o cara tinha superpoderes, mas acredite: em condições normais qualquer um pode pedalar longas distâncias. Vai sofrer um bocado no começo, vai doer tudo (as costas, a cabeça, o pescoço, as nádegas), vai chegar em casa morto, vai ouvir os parentes te chamando de maluco, vai pensar em desistir. Mas seja perseverante, daqui a poucos meses você estará todo orgulhoso no trabalho tirando uma de super-herói. Há um ano e meio atrás eu postei todo feliz no facebook uma foto do meu velocímetro marcando 30km de distância!!! Em pouco tempo 30km virou treino.

-participe de um grupo: o grupo tem comprovadamente imensa importância psicológica. Com o grupo você vai aprender mais e mais rápido, faça perguntas, preste atenção. E, além disso, a galera não vai te deixar em paz. Naquele dia que bater a preguiça ou que estiver aquele frio desgraçado, fique tranqüilo, vão começar a chegar mensagens no seu celular: “e aí furão, tá com medinho do frio?”

.

-treine: se começou e gostou, fique tranqüilo, agora vai virar vício. Treine sempre, treinar será um prazer.  Regularidade é a chave para acabar com as dores, com as dúvidas e até com as crises existenciais; sim, elas existem, quem é que nunca entrou numa paranóia debaixo de sol quente no meio daquela subida “monstra”? (“O que é que eu estou fazendo aqui? Eu podia estar no meu sofá!”). Quem pedala sabe a diferença que faz aqueles dois treininhos de meio de semana.

.

Enfim, suba na bike e vá pedalar. Mesmo que sua bike seja aquele “camelinho” velho e pesado, mesmo que ache que não vai dar conta, que não saiba ajustar a magrela sozinho. Mesmo que já tenha tentado algumas vezes e tenha batido aquela paranóia. Mesmo que já tenha passado aquele aperto. Um dia você vai ver a felicidade que é chegar em casa acabado de cansaço e imundo, mas com um baita sorriso, com aquela cara de “eu consegui!!!”.

.

Clique aqui e veja todos os posts do colunista Vitaly Costa e Silva

29 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns Vitaly, mais um belo texto, pra variar!!!
    Abraço a todos!

  2. Ótimo texto. Belíssima estréia!
    Deu vontade de começar mesmo, mas a preguiça é algo que me corrói aos poucos.
    Tenho vários amigos que pedalam e acho muito legal além de super saudável (pra eles e pro meio ambiente). No momento ainda me falta um pouco de tempo e MUITA força de vontade. Mas quem sabe um dia!!

  3. Excelente texto, tive o prazer de estar junto em vários desses momentos e acompanhar seu crescimento como ciclista. Inesquecível o dia do “causo” hem kkkkkk
    Abraço!

  4. Perfeita a parte do “ajude o próximo”! O quanto melhor recebermos os novos bikers, mais amigos teremos pedalando.

  5. Muito bom texto Vitaly!!!
    Lembrei-me de quando o bichinho do pedal me mordeu e comecei a pedalar “de verdade”.
    Fiquei até com vontade de sair para pedalar, então… fui!!!
    Abraço

  6. Inspirador, cheio de entusiasmo…
    Meu pai também conta uns “causos” das experiências dele como biker. Bem loucos vocês todos!
    Parabéns pela loucura!

  7. Parabéns Vitaly, sua matéria de estréia foi show! Espero pelas próximas postagens

  8. Parabéns Vitaly, ao longo de toda leitura dei boas gargalhadas pela identificação com tudo que foi descrito, parecia que vc tinha nos observado e retratado o nosso início em seu texto.

    Um abraço

  9. Cara vi sua coluna sinceramente achei o máximo. Eu comecei a pedalar em trilhas tem uns trés anos mais ou menos fui tao humilhado pelos veteranos que hoje so pedalo sozinho para não passar mais esse constrangimento.
    eles ficam disputando bicicletas peças roupas e ate físico como se estivessem em passarelas. parabens divulgue mais isso.
    abração

  10. Realmente participar de um grupo é um grande começo, recebeu mensagens irônicas te fazendo ter aquela sensação de: não vou poder deixar passar isso, e você acaba indo, com sol, chuva, vento, frio, enfim, esporte maravilhoso. Parabéns pela matéria!

  11. Gostei muito do seu texto, tem muito
    haver com meu inicio, dei varias gargalhadas. Sucesso no seu projeto de vida.

  12. Otima materia, na adolescencia andava de cross (aro 20) fazia ate algumas umas manobras. Hj penso em voltar a andar, claro q nao mais d cross esse tipo d materia incentiva.

  13. Bacana!! Valeu mesmo, adorei seu texto. Claro, direto e muito esclarecedor!!
    Sucesso.
    Abçs

  14. Estou recomeçando e adorei o texto. Até os 20 e poucos anos eu pedalava muito. Depois do casamento e filhos, parei. Hoje, depois do 50, estou voltando a pedalar. Costumo ler o Vitaly e afirmo que ele é um dos meus grandes incentivadores.

  15. Muito bom post, foi motivador, principalmente pra quem esta começando.

  16. Muito legal o post. Reforçando o lembrete de sempre, sempre ao sair pro giro ter água e algum tipo de comida. Além da força, são os combustíveis do ciclista. Então… vai que dá!

  17. Obrigado Eduardo Baltazar, que bom poder contribuir desta forma. Abraço.

  18. Excelente texto. Retrata muito do que nós ciclistas já passamos por aí durante as trilhas. Gostaria de enfatizar a questão do “não mentir” quanto as nossas condições físicas, pois todo esporte há seus riscos, e o que poderá ser um prazer poderá se tornar em um transtorno. Um Bike Abraço a todos os apaixonados por Bike!!!

  19. Fiz o meu primeiro pedal ontem, bike pesada, muito tempo parada. Pedaleira 25 km e achei que seria muito difícil é nada prazeroso. Venci, tive o maior orgulho de mim. Jamais teria pensado que conseguiria, recebi incentivo de todos os que pedalam. A Solidariedade e generosidade estão presentes em todos os que cruzamos, na volta o pneu furou e imediatamente já surgiu alguém pronto a ajudar. Adorei o seu post! Vou me empenhar, valeu pelas dicas.

DEIXE UMA RESPOSTA